Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Os fusos horários

por Mäyjo, em 19.12.14

fh.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:52

Alterações climáticas podem reactivar vírus da varíola

por Mäyjo, em 19.12.14

Alterações climáticas podem reactivar vírus da varíola

Em tempos foi uma das doenças mais temidas pela população mundial. Pensa-se que o vírus da varíola teve origem há cerca de três mil anos na Índia ou no Egipto, tendo sido um dos piores flagelos da humanidade. A varíola, conhecida pelas erupções cutâneas e bolhas de pus que provocava, foi erradicada em 1979.

Porém, existe agora o receio por parte da comunidade científica de que a doença possa ser reactivada e nos locais mais improváveis, como o pergelissolo – ou permafrost. Vários cientistas temem que devido às alterações climáticas este solo permanentemente congelado, que já está a descongelar na Sibéria, possa expor cadáveres que foram infectados pela doença e reiniciar um novo ciclo de infecção, caso haja contacto com os cadáveres.

Esta probabilidade já é postulada há algumas décadas mas a descoberta na última semana de um vírus gigante, tal como o vírus da varíola, com cerca de 30 mil anos, veio reacender o debate. O vírus em questão foi encontrado a uma profundidade de 30 metros no pergelissolo da Sibéria. Posteriormente, o vírus – que foi baptizado de Pithovirus sibericum – foi reactivado em laboratório. Ainda assim, ele é inofensivo para seres humanos e animais, podendo, no entanto, afectar organismos unicelulares.

Varíola é resiliente quando congelada

Tal como este vírus de 30 mil anos, os cientistas temem que os cadáveres das vítimas da varíola possam conter o agente causador da doença, ainda que inactivo, que se pode reactivar ao descongelar. O cenário é apenas hipotético, mas existe essa possibilidade. Caso aconteça, a reactivação do vírus pode iniciar uma pandemia global.

A varíola é conhecida por ter aniquilado populações na região do Árctico e da Sibéria em séculos passados e pensa-se que o vírus pode estar inactivo debaixo da terra, porque o solo está congelado. Em regiões mais quentes, os corpos apodreceram e o vírus não foi conservado. A varíola é resiliente quando congelada e o pergelissolo já revelou outros tipos de bactérias e vírus – ainda que inactivos, estavam conservados – com três milhões de anos.

Até agora, as tentativas para comprovar a hipótese de que a varíola possa estar inactiva nas regiões geladas foram infrutíferas, já que os cientistas que fizeram escavações para recuperar corpos de vítimas da varíola no Alasca e na Sibéria não conseguiram recuperar nenhum vírus viável dos restos mortais.

Antes de ter sido erradicada, a varíola era fatal em 30% dos casos. Os que não sucumbiam à doença ficavam cegos ou com marcas para toda a vida. Estima-se que tenham morrido 300 milhões de pessoas infectadas com o vírus durante o século XX. Não existe cura para a varíola, mas existe uma vacina eficiente que impede a infecção até quatro dias depois de a pessoa ter estado exposta ao vírus.

Actualmente, o vírus está preservado em dois laboratórios – um nos Estados Unidos e outro na Rússia. Contudo, alguns governos acreditam no risco de o vírus estar conservado em outros locais.

Foto:  Soil Science @ NC State / Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:01

2013 foi o ano com os maiores níveis de emissões de CO2 de sempre

por Mäyjo, em 19.12.14

2013 foi o ano com os maiores níveis de emissões de CO2 de sempre

Precisamente na altura em que é imperativo diminuir as emissões de CO2 para evitar consequências desastrosas para o planeta, as emissões de gases com efeito de estufa continuam a aumentar. 2013 estabeleceu um novo recorde de emissões de: foram emitidas 35,3 mil milhões de toneladas de CO2 para a atmosfera.

Os dados são da European Union Joint Research Center, que divulgou o habitual relatório anual sobre as emissões a nível global esta quarta-feira. O documento enquadra as emissões da produção e combustíveis fósseis e as emissões da indústria, especialmente da área metalúrgica e cimenteira.

O novo recorde de 2013 ficou a dever-se principalmente às economias em desenvolvimento: o Brasil emitiu mais 6,2%, a Índia mais 4,4%, a China mais 4,2% e a Indonésia mais 2,3%. Os Estados Unidos, o maior emissor de gases com efeito estufa, voltou a emitir mais poluentes depois de uma ligeira estagnação em anos anteriores. “As emissões aumentaram 2,5% nos Estados Unidos devido a uma mudança na produção energética do gás para o carvão, aliado a um aumento do consumo de gás”, lê-se no relatório, cita o Motherboard.

O lado positivo, como é destacado no documento, é que a taxa do aumento das emissões está a diminuir: “as emissões aumentaram a uma taxa menor (2%) do que a média na última década”. O relatório observa ainda uma dissociação entre o PIB mundial que está a crescer mesmo quando as emissões de CO2 são mais lentas. Tal deve-se a uma maior aposta numa economia de serviços em vez de uma economia industrial.

Porém, esta dissociação não está a acontecer a um ritmo suficientemente rápido. De acordo com as estimativas feitas pelos cientistas, o planeta ainda tem aproximadamente 1.200 giga toneladas para emitir antes dos níveis da água do mar conseguirem destabilizar a civilização humana.

Foto: nikosmchairas / Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:53


Este blog disponibiliza informação com utilidade para quem se interessa por Geografia. Pode também ajudar alunos que por vezes andam por aí desesperados em vésperas de teste, e não só, sem saber o que fazer...

Mais sobre mim

foto do autor


Siga-nos no Facebook

Geografando no Facebook

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D